Turismo no Mangue: a praia de Tieta

Ao se deparar com algumas imagens do Mangue Seco, pode ser que você ache alguma coisa familiar… E provavelmente estará certo! A praia, que faz litoral com o Sergipe, foi bem retratada na novela “Tieta”, veiculada pela rede Globo e inspirada no romance “Tieta do Agreste”, de Jorge Amado. Na época a produção incentivou o turismo local – e ainda hoje encanta, graças as belezas naturais da localidade.

Numerosas dunas e paisagens primitivas de rios e mar. Muitas opções de lazer. Paisagens deslumbrantes. É um lugar que certamente deve ser colocado entre seus próximos destinos de viagem. As ruas, que são poucas, são cobertas por uma fina camada de areia. À noite, crianças brincam do lado de fora de casa. A vila oferece uma noite estrelada, com beleza extraordinária nos períodos de lua cheia.


A dificuldade do acesso – exclusivamente de barco, através do Rio Real – é o que torna Mangue Seco mais atraente e a mantém naturalmente rústica.

Quer saber mais? Basta clicar aqui.

Rhizophora mangle: o mangue vermelho

Você sabia que existem cerca de cinquenta espécies de árvores de mangue? É na região do Indo-Pacífico que se concentra a grande maioria. Nas Américas e costa brasileira, são encontradas sete espécies pertencentes a quatro gêneros: Rhizophora, Avicennia, Lagunculária e Conocarpus.

 

A Rhizophora mangle, Mangue-Vermelho, é a espécie mais conhecida ao longo do Litoral Brasileiro. Por que Mangue-Vermelho? Porque trata-se de uma árvore de casca lisa e clara, que ao ser raspada mostra cor vermelha. 😉

No início da colonização do Brasil foi muito explorada pelos curtumes para tingir couro e hoje tem sua exploração restrita e regulamentada, apesar da grande utilização pelas ceramistas artesãos do Espírito Santo, para tingimento e impermeabilização das panelas de barro e utensílios domésticos.

Quer saber muito mais sobre o Mangue? Fique de olho no blog da Saccaro! Mais informações e curiosidades estão vindo!

Saccaro inaugura franquia em Natal

No dia 17 de julho, a Saccaro inaugura sua primeira franquia em Natal, no Rio Grande do Norte, em um espaço de 600 m² que seguem os padrões de Concept Store.

A nova loja, comandada por Werneck de Carvalho e Tatiana Souza de Carvalho, traz elementos, materiais e ambientes que criam uma atmosfera intimista, fazendo com que o consumidor sinta-se em casa.

 

Saccaro Natal – RN

Rua Mossoró, 588 – Tirol

CEP 59020-090

Fone 84 3302.8233

 Venha conhecer o nosso mais novo Habitat.

Descobrindo o mangue: inspiração em edifício

Não é só a Coleção Mangue, da Saccaro, que buscou nos manguezais a sua inspiração. O formato das raízes expostas inspirou os arquitetos do estúdio Jackson Teece, que criaram um edifício residencial em Brisbane, leste da Austrália.

 

O que distingue o edifício são os volumes entrelaçados que cruzam a fachada e servem como pilares estruturais. São somente 10 apartamentos, de luxo, onde as alas íntima e social estão separadas por um lobby com paredes de vidro.

Via

Descobrindo o mangue: Desthinações

O interesse sobre os manguezais fez com que a artista plástica Thina Cunha desenvolvesse uma exposição sobre o tema. “Desthinações” conta com 100 obras, entre elas quadros, relevos, esculturas grandes e pequenas que revelam a visão da artista sobre o mangue e sua importância.

O trabalho da artista é conhecido pelo uso de alumínio e resina. Essa exposição, porém, contou com a participação de materiais como garrafas PET, lacres de lata, fios e raízes.  “Construí um cenário com material descartável, para mostrar que muitos materiais que as pessoas jogam fora podem ser reaproveitados, a gente pode fazer com o lixo muita coisa interessante”, disse Thina.

Serviço
Exposição “Desthinações”, da artista plástica Thina Cunha
Terça-feira (28), às 19h (vernissage)
Ateliê de Thina Cunha, Rua Guarabira, nº 215, Boa Viagem, Recife
Exposição segue até 29 de julho, das 10h às 18h

Descobrindo o mangue: um refúgio natural

Anfíbios, répteis e mamíferos (mão pelada, lontra), usam o manguezal como refúgio, fonte de alimento e até para realizar o ritual de reprodução.

Para as aves marinhas, o manguezal é um verdadeiro santuário, como local de reprodução, alimentação e descanso para aves migratórias. As aves mais comuns são as garças, os guarás, o colhereiro, o martim-pescador, entre outras.

A partir disto, percebe-se que os manguezais são um refúgio natural para milhares de espécies, sendo considerado o berçário para organismos que vivem no estuário e no oceano.

O manguezal virou tema da série de reportagens especiais que o Jornal Nacional exibiu em março desse ano. Nesse link estão os vídeos.

No link você vai conhecer um pouco mais sobre os benefícios proporcionados pelo mangue ao ecossistema, bem como as espécies que sobrevivem deste habitat.

Aguarde mais posts! Em breve vamos descobrir ainda mais sobre o mangue.

Descobrindo o mangue: um rico ecossistema

Já falamos aqui no blog sobre o lançamento da Saccaro, a Coleção Mangue. Nas próximas postagens, vamos nos aprofundar muito mais nesse habitat brasileiro. Afinal de contas, é sempre interessante saber mais sobre as inspirações que trazem mais design para nossos ambientes.

Manguezal, também chamado de mangue ou mangal, é um ecossistema costeiro, de transição entre os ambientes terrestre e marinho, uma zona úmida característica de regiões tropicais e subtropicais.

A fauna do manguezal é constituída principalmente por peixes, moluscos e crustáceos. Os manguezais são um local muito nutritivo, sendo assim, locais propícios ao desenvolvimento e abrigo de organismos jovens.

Existem 3 tipos de mangues: mangue–vermelho, mangue-preto e mangue-branco. No solo do primeiro há grande deposição de matéria orgânica, grãos de areia e partículas de argila transportado pelos rios e mares. O segundo é uma espécie que apresenta tronco geralmente cor castanho–claro, quando raspado mostra cor amarelada. O terceiro apresenta pneumatóforos para auxiliar a respiração, devido a presença de lodo.

Aguarde mais posts! Em breve vamos descobrir ainda mais sobre o mangue.