22 maneiras de criar design

Em uma mistura muito bem dosada de reaproveitamento de materiais e elegância, arquitetos e designers de interiores de todo o país uniram suas inspirações para criar projetos inovadores. Unindo a realidade cosmopolita urbana com ares de natureza e liberdade, 22 projetos foram desenvolvidos, mostrando um leque de opções para os novos consumidores do mercado.

Desde arquitetura funcional, ênfase no mobiliário e interação entre ambientes, os projetos abrangem os mais diferentes gostos. Na mesma linha, com a pluralidade de profissionais de variados locais do país, os projetos seguem características regionais e não-regionais, criando uma diversificação do trabalho.

Os 22 projetos estão listados e especificados nesta edição da revista Saccaro CasaS. São duas páginas completas explicando sobre cada colaborador e uma dando ao leitor uma visão mais próxima e íntima de cada ambiente criado.

A democratização através da Art Basel

A mostra Art Basel, a mais importante exposição de arte moderna, que acontece de 04 à 07 de dezembro este ano em Miami, nos Estados Unidos, deixa em contato com o público os mais diferentes tipos de peças e artistas. A Art Basel acontece em Basel, Hong Kong e Miami, e galerias brasileiras marcam presença no evento!

Fazendo com que a arte de diferentes artistas possa ser exposta, a mostra Art Basel é um marco para a arte popular desde 1970. Idealizada pelos galeristas Ernst Beyeler, Trudl Bruckner e Hilt Balz, o primeiro evento teve sede na Basileia, Suíça. O ponto forte da mostra é que ela reúne toda a diversidade trazida pelos artistas de diversos países que expõem seus trabalhos anualmente, não os delimitando por áreas ou por países.

Com um começo conturbado e de classificação “anarquista” (por ser uma mostra livre), a Art Basel teve sua consagração em 1973, 3 anos depois da primeira edição, e é considerada a maior feira de arte do mundo. Ela se mostrava irreverente e livre, completamente em sintonia com os movimentos político-sociais das décadas de 60 e 70. 32 anos após o seu lançamento, Lorenzo Rudolf – diretor da mostra do período – fundou a Art Basel Miami Beach (ABMB) e centralizou todo o sucesso já conquistado.

Diversas galerias brasileiras já tiveram o prazer de expor na Art Basel. Na edição de 2013, as galerias lá Baró, Casa Triângulo, Fortes Vilaça, Gentil Carioca, Luciana Brito, Luisa Strina, Nara Roesler e Vermelho representaram o Brasil. Os selecionados para 2014 em Miami ainda não foram divulgados, porém, para a Basel, a galeria Gentil Carioca já está confirmada.

As obras expostas trazem toda a inovação que há no mundo da arte, aproximando-as ao mundo urbano. Carsten Nicolai, artista alemão, por exemplo, apresentou em Hong Kong uma peça que envolve pulsão de luz, gerando um show de luzes em sincronia por 50 minutos. A ideia central do artista foi analisar como um pulso luminoso pode afetar e mudar o humor das pessoas que o recebem.

Questão de fibra: entrevista com João Saccaro na revista Casa e Jardim

“Uma grande marcenaria.” É assim que João Saccaro, diretor comercial da Saccaro, define a marca com 68 anos de história, hoje sob seu comando e o de seus irmãos Ivo e Cornélio. A empresa, que nasceu a partir da produção de cestas tramadas de vime, mantém em seu DNA o trabalho artesanal, sem deixar de lado o investimento em tecnologia e design

Texto Thaís Lauton

Casa e Jardim | A história da Saccaro começa com a fabricação de cestas de vime?

João Saccaro | Sim. Meu pai (Sr. Albino Saccaro) é o filho mais novo de uma família de 12 irmãos. Meus avós, imigrantes, eram agricultores. Conforme os filhos cresciam, eles davam um pedaço de terra para cada um. O problema é que quando chegou a vez do meu pai, possivelmente por um erro de cálculo, quase não havia terra disponível. Foi então que meu avô incentivou o meu pai a ter outra atividade. Na época, em 1946, o vilarejo onde nós morávamos, Ana Rech, era bastante turístico. Ele estava para Caxias do Sul como Campos do Jordão está para São Paulo. Daí surgiu a ideia de fazer artesanato a partir do vime, cestaria. Alguns anos depois, ele chegou a produzir móveis de vime, mas com o crescimento das vinícolas na região, voltou-se para o revestimento dos garrafões de vinho. Porém, entre 1972 e 1974, o uso do plástico para o mesmo fim começou a prejudicar os negócios. E foi aí que meu pai resolveu voltar a produzir móveis de vime. Nessa época, os meus irmãos mais velhos (são oito filhos, dos quais João é o caçula) começaram a ajudar, e o negócio ganhou formato mais ‘industrial’. Até que, por volta de 1982 ou 1983, a empresa vendia móveis populares, com pouco valor agregado, e se deparou com uma crise no país. Foi aí que surgiu a ideia de partir para uma produção mais elaborada, com peças diferenciadas, acrescentando à fibra elementos como tecidos, tingimento, mármore e madeira.

Casa e Jardim | E como foi essa evolução?

João Saccaro | Entre os anos de 1984 e 1986, nós fomos para o salão do Móvel de Milão pela primeira vez, para ver o que o mercado internacional estava produzindo em fibra, e ficamos surpresos com a gama de possibilidades em torno do tema. A partir desse momento, começamos a investir em marca e a nos posicionar como uma empresa que investia em design, com produtos assinados, primeiro pelo arquiteto Renato Solio e, mais tarde, pela arquiteta Ana Vazquez. Aliás, no próximo ano, nós vamos comemorar 30 anos dessa mudança de postura.

Casa e Jardim | Como foi a trajetória da marca com relação à produção de móveis?

João Saccaro | Nós iniciamos produzindo peças de vime, depois junco e, mais tarde, de cana-da-índia. Quando passamos a desenvolver pontos de venda exclusivos, percebemos que o mercado pedia variedade. Foi aí que começamos a trabalhar os estofados, a madeira e, nesse meio tempo, os móveis de jardim.

Casa e Jardim | Quais são os materiais que atualmente a Saccaro utiliza em sua peças?

João Saccaro | Hoje nós trabalhamos com a málaca e o ratã, que só existem no Extremo Oriente. Importamos a matéria prima e o móvel inacabado. Também utilizamos vários tipos de madeira e de alumínio. Já no caso da fibra sintética, nós desenvolvemos um modelo mais resistente aos impactos causados pelo cloro, pelo protetor solar, pela luz, e pelos raios ultra violeta e fabricamos sob a marca X-Fiber. Isso faz com que possamos assegurar ao cliente um produto de qualidade, com três anos de garantia.

Casa e Jardim | E com relação à madeira, vocês trabalham com quais tipos?

João Saccaro |Utilizamos basicamente o jequitibá e a garapeira, que é uma madeira semelhante à teca, porém mais pesada, ideal para móveis de madeira. E importamos um tipo argentino chamado paraíso (como um plátano). Todas as madeiras têm o selo verde e obedecem rigorosamente às regras dos órgãos ambientais. Aliás, nós entendemos que devemos dar continuidade ao negócio respeitando as regras sociais e ambientais.

Casa e Jardim | Hoje são quantos pontos de venda?

João Saccaro | São 25 lojas exclusivas no Brasil e 15 galerias, que são como multimarcas. A diferença é que o lojista tem que criar uma separação e uma diferenciação dentro de sua loja, com a formatação da Saccaro. Temos 16 pontos de venda fora do Brasil, entre eles uma loja e outras seis galerias na El Palacio de Hierro, no México. E devemos finalizar, neste semestre, uma segunda loja no sul da Cidade do México. Em Miami, temos uma loja de 1 mil m² e estamos prestes a inaugurar mais uma galeria. Além disso, abriremos outros pontos no Panamá, em Porto Rico, na Venezuela, isso só para citar alguns.

Casa e Jardim | Qual é a atuação da Saccaro no mercado corporativo?

João Saccaro | Nós adquirimos know-how e criamos uma linha específica para o mercado corporativo, mas nada impede que sejam desenvolvidas peças personalizadas para hotéis, restaurantes etc.

Casa e Jardim | O que é feito para aproximar profissional e consumidor da marca?

João Saccaro | Há três anos, nós desenvolvemos um aplicativo que exibe todos os produtos e suas especificações técnicas. É possível tanto ‘favoritar’ as peças e depois mostrá-las para o cliente, como ambientá-las a partir de uma foto que tenha sido tirada do ambiente. O aplicativo surgiu para evitar inconvenientes como desatualização do catálogo impresso e é constantemente atualizado.

Casa e Jardim | O que diferencia a Saccaro de outras marcas de mobiliário?

João Saccaro | Acredito que seja um conjunto de fatores. Isso inclui as pessoas, os serviços, os pontos de venda, a experiência de compra, o design, além da credibilidade e confiabilidade que regem a marca.

Saccaro presente na Casa Cor PR

Um oásis do Morar Bem

Presença tradicional e esperada na Casa Cor Paraná, o arquiteto paisagista Wolfgang Schlögel assina, em 2014, o Jardim Frontal e Praça COMPAGAS. A transformação da área externa do Cine Ribalta, em Curitiba, ganhou a atenção e o cuidado para que todos possam vivenciar a paixão por usufruir de bons momentos ao ar livre.

Sem receio do clima frio da capital paranaense, Wolf traz um pouco da natureza para o espaço urbano, mas com exuberância para o interior, possibilitando que os visitantes façam refeições em meio a um jardim interno.

Para proporcionar ainda mais aconchego, o fogo aquece e ilumina os ambientes, trazendo maior sensação de conforto. Completa o cenário, produtos das coleções Noronha, Maui, cadeiras Ponti e mesas Pala.

Finalizando com sua assinatura, ele utiliza grandes vasos em aço corten, que simulam árvores. O jardim vertical envolve o ambiente que conta, ainda, com espelhos que clareiam e geram amplitude, trazendo mais transparência para o exterior, resultando em um projeto simples, porém, muito apreciado para a convivência dos visitantes.

CASA COR PR

Período
De 26 de Agosto a 05 de Outubro de 2014

Horário de Funcionamento
De Terça a Sexta das 15 às 21h
Sábados e Feriados das 13 às 21h
Domingos das 12 às 19h 

Local
Av. Munhoz da Rocha, 1.504 – Cabral – Curitiba – PR

 

Equipe Saccaro