Saccaro em Miami

Em Miami a Saccaro fez parte de um projeto encantador o Crystal Court Villa. Com projeto arquitetônico de Charles Treister e conceito de decoração realizado pela Saccaro USA, chefiado pela franqueada Katia Silva, a residência transmite o que há de melhor no mercado.
Confira o tour virtual e a reportagem da revista Florida Design – Summer Edition

Leia a matéria completa

Editorial-Summer2017-CrystalCtModelHome

10 Dicas para aperfeiçoar suas fotos de arquitetura

Em nossos tempos modernos, a cultura obcecada pela imagem nos faz consumir uma grande quantidade de arquitetura através de fotografias, ao invés de experiências físicas e espaciais. As vantagens da fotografia de arquitetura são muitas: permitem que as pessoas obtenham uma compreensão visual de edifícios que talvez nunca tenham a oportunidade de visitar, criando um recurso valioso que permite expandir nosso vocabulário arquitetônico. No entanto, devemos permanecer críticos em relação às desvantagens da fotografia quando se trata de arquitetura. Jeremy Till, autor de “Architecture Depends,” (Arquitetura Depende, ainda sem versão em português) resume isto no capítulo “Out of Time” (Fora do tempo): “A fotografia permite que esqueçamos o que veio antes (o sofrimento do trabalho prolongado para cumprir com a entrega de um edifício completamente formado) e o que está por vir depois (as intempéries do tempo, sujeira, usuários, reformas). Ela congela o tempo. A fotografia de arquitetura ‘eleva o edifício para fora do tempo’ e proporciona um consolo para os arquitetos que podem sonhar por um momento que a arquitetura é um poder estável existente por sobre as marés do tempo”.

As dicas a seguir tem o objetivo de não apenas melhorar a força visual de suas fotografias de arquitetura, mas também as histórias que elas contam – indo além das imagens individuais para comunicar as relações dos edifícios com seus contextos, espaço e tempo.

© Iwan Baan

© Iwan Baan

1. Fotografe em uma infinidade de condições do tempo e de horas do dia

As pessoas frequentemente tendem a procurar as luzes mais dramáticas para capturar as maravilhas arquitetônicas, como no pôr do sol quando as sombras são alongadas e as cores brilhantes. Embora isso frequentemente resulta em imagens com grande atmosfera, apenas retrata a atmosfera em um ponto específico no tempo. Tirar uma série de fotos durante diferentes horas do dia, ou mesmo em diferentes condições do tempo pode ajudar a tecer uma história mais completa do edifício em relação ao seu entorno.

© Iwan Baan

© Iwan Baan

2. Priorize a boa luz

Independente do momento que se está tirando fotos, uma boa iluminação deve sempre ser a prioridade. Boa iluminação na arquitetura ajuda a enfatizar um espaço, uma estrutura ou atmosfera específica, e portanto tem um importante papel em moldar o entendimento do que é importante naquele projeto específico.

© Balint Alovits

© Balint Alovits

3. Procure um ângulo especial

Brincar com a perspectiva não é apenas uma coisa divertida de fazer, também pode ser algo bastante recompensador. Procure um ângulo diferente a partir da qual a fotografia pode expor uma forma já batida ou a abstração de um detalhe do edifício que pode dar chance para um outro nível de beleza e apreciação de suas formas.

© Steve Hall

© Steve Hall

4. Não tenha medo de incluir as pessoas – arquitetura não existe sem elas

Till inclui um trecho com humor no capítulo “Out Of Time” onde o editor de foto de “The Everyday and Architecture” refusa a aceitar a imagem de capa com uma pessoa nela, mas fica satisfeito quando esta pessoa é substituída por uma bicicleta. Historicamente, existe uma tendência em não incluir as pessoas nas fotografias de arquitetura, como se de alguma forma nós contaminamos a beleza pura do projeto. Felizmente, uma série de célebres fotógrafos estão começando a mudar esta tendência. A arquitetura não existe e não existiria sem nós – não hesite em registrar nossa presença.

© Iwan Baan

© Iwan Baan

5. Explore o todo, mas também os detalhes

Embora fotografar com lentes de grande angulação seja usualmente a coisa mais inteligente a fazer quando se trata de fotografias de arquitetura, edifícios contém centenas de pequenos detalhes que são perdidos quando uma fachada inteira ou um ambiente inteiro é registrado em uma imagem. Explorar os detalhes de perto pode revelar algo novo sobre a história do edifício ou de sua construção, por exemplo.

© Iwan Baan

© Iwan Baan

© Hélène Binet

© Hélène Binet

6. Tente não objetivar o edifício

Imagine o choque de visitar um edifício que você apenas viu fotografado de um bom ângulo. Objetificar um edifício ao ponto onde apenas se visualiza um ponto de vista é um dos maiores desserviços da fotografia de arquitetura. Mais uma vez, Till resume perfeitamente: “Não é tanto sobre o mito urbano exagerado que arquitetos desenham edifício com vistas para fotografias específicas para eles, mas é mais sobre a fotografia que se torna o ponto de referência primária para a arquitetura.” Fazendo um esforço para gravar o contexto espacial completo de um edifício não é fácil, mas também não é impossível.

7. Utilize ferramentas de pós-produção

Processar imagens se tornou quase uma etapa padronizada da fotografia, permitindo que você ajuste sua imagem para criar a atmosfera perfeita que se quer capturar. Enquanto as imagens deveriam ser alteradas com um claro entendimento de que tipo de mudanças são aceitáveis, programas como o Photoshop e Lightroom são fáceis de usar com uma variedade de funções avançadas. Se está procurando uma maneira fácil de criar uma fotografia panorâmica utilizando uma série de imagens, tente usar Hugin.

© CC0 Pixabay User Pexels

© CC0 Pixabay User Pexels

8. Invista em um equipamento de fotografia apropriado

Se está pensando seriamente em investir em fotografia de arquitetura de alta qualidade, comprar o equipamento certo vai te trazer boas recompensas. Lentes de grande angulações são bastante utilizadas para fotografar edifícios e espaços pequenos, e incluir um tripé pode abrir suas possibilidades de fotografar em condições de pouca luz, entre outras coisas. Utilizando um filtro polarizado também pode ajudar a acrescentar contraste e tornar suas imagens mais vívidas. Se está procurando algo em outro nível, um drone com uma boa câmera pode render boas imagens.

© Laurence Mackman and Iwan Baan

© Laurence Mackman and Iwan Baan

9. Revisite o lugar diversas vezes

Retornar ao lugar várias vezes irá revelar novas camadas à arquitetura que pode ser utilizada para retratar o desenvolvimento ou talvez a degradação de um edifício ao longo do tempo. Ver uma fotografia perfeita de um edifício recém construído é lindo e fascinante, mas por que não acompanhar a arquitetura por trás da primeira foto perfeita? Talvez os reais aspectos interessantes do edifício são apenas expostos ao longo do tempo.

10. Pesquise o edifício previamente

Ler sobre a história e contexto de um edifício antes de o visitar é um recurso indispensável que vai, sem dúvida, te ajudar a focar sua fotografia em uma história relevante ou ideia que capture a essência do edifício.

Fonte: www.archdaily.com.br/

COLEÇÃO TAPETES OUTDOOR ACQUA FLOW

A Coleção Acqua Flow reflete o entusiasmo de Claudia Araujo pelo artesanato, especificamente homenageando a antiga arte da tecelagem.

Sua característica única reside em ressaltar duas partes independentes (urdume e trama) nas quais predominam cores diferentes. A proporção e combinação das duas cores geram mudanças no tom e irregularidades no tecido, trazendo o padrão à vida. Um exercício de simplicidade, mostrando a estrutura da tecelagem quase em um estilo pedagógico, sem medo de revelar a urdidura.

O acabamento também ajuda a entender o processo de construção, melhorando assim a diferenciação entre as duas cores que finalmente se misturam invisivelmente. De longa duração e fáceis de manter, estes tapetes representam uma alternativa válida também para espaços internos, tanto residenciais como contratuais.

Preview da Coleção Saccaro 2018 na Mostra Modernos Eternos

 

Na sua 4ª edição paulistana a Mostra Modernos Eternos acontece entre os dias 8 e 13 de agosto no shopping Cidade Jardim. A Saccaro participa pela primeira vez da mostra em uma parceria inédita com o designer de interiores Bruno Carvalho, que também faz sua estreia no evento.

Inspirado em um casal amante da arte e do design, o espaço ‘Living do Artsy’ de 38m², traz uma proposta elegante e acolhedora que desconstrói o conceito tradicional de livings integrados a sala de jantar com mix de móveis contemporâneos e clássicos. No ambiente estarão presentes os lançamentos da marca e também peças do Preview Coleção 2018 Saccaro, as poltronas Bloom de Emerson Borges e o Sofá Sintra do Studio Saccaro.

“Busquei criar um espaço harmonioso que contemplasse os elementos que dão estilo aos meus projetos. Para isso, vamos trazer em primeira mão as novidades da marca em um ambiente contemporâneo, com uma produção inusitada, que mistura objetos vintage e obras de arte contemporâneas”, explica o profissional.

Agende-se
De 8 a 13 de agosto
Casa Bossa Shopping Cidade Jardim

Quarta a sábado das 13h às 21h30

Domingo das 13h às 20h.

Saccaro presente na sexta edição do DW!

O Design Weekend! São Paulo promete surpreender o público com eventos espalhados pela capital entre os dias 9 e 13 de agosto de 2017. As atrações estarão localizadas nos distritos Jardins, Gabriel, Paulista, Pinheiros, D&D e Vila Madalena, além de eventos específicos em outras regiões.

Para complementar o cronograma, o DW! também possui eventos paralelos simultâneos, como o MADE, o BOOMSPDESIGN, a Modernos Eternos e a HIGH DESIGN EXPO que integra outras programações como: Greenbuilding Expo, o CONAD – Congresso Nacional de Designers de Interiores e o Prêmio Salão Design.

A Saccaro estará presente em 4 importantes eventos:

PREVIEW DA COLEÇÃO OUTDOOR 2018 NA SACCARO D&D

Vitrine ambientada pelo escritório Ximenes Leite Arquitetura apresentando as novas coleções: SWEEL, assinada pelo designer francês Alain Blatché, e ESTIO, criação do novo parceiro da marca, o renomado designer Guilherme Wentz. 

MOSTRA MODERNOS E ETERNOS

Um mix de design, decoração e arte integrados em 13 ambientes, assinados por profissionais consagrados. A participação da Saccaro será no ambiente do profissional Bruno Carvalho com Preview da Coleção 2018 apresentando o estofado Sintra, com design do Studio Saccaro e a poltrona Bloom do designer Emerson Borges.

CONAD – Congresso Nacional de Designers de Interiores

Como patrocinadora do CONAD a Saccaro levará ao palco poltronas da marca que receberão convidados para falar sobre o tema #Zerou tudo, que propõe uma provocação saudável e necessária sobre valores, posturas, ética e cultura.

IED

O Instituto Europeo di Design – IED em parceria com a Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário – ABIMÓVEL, promovem durante o Design Weekend exposição de produtos com design assinado. Representando a Saccaro estará em exposição o Gabinetto Palafita do designer Roque Frizzo e as Banquetas Anauê do Studio Saccaro.

 

Poltrona Estio

Design Guilherme Wentz

Mesas de apoio e laterais: versatilidade para compor ambientes

Pequenas e funcionais, as mesas de apoio e laterais estão ganhando importância e destaque nos projetos de decoração. Além de oferecer um design extra ao ambiente, também adiciona mais um local de apoio no cômodo.

Além de harmonizar com todos os estilos de decoração, não existe uma regra para utilizá-las, podendo ser compostas individualmente ou combinadas com outras – vale também apostar em mesas de formatos diferentes, garantindo um espaço supermoderno.

A Saccaro, apresenta em seu catálogo peças sofisticadas e versáteis. Disponíveis em várias formas, materiais e medidas, que atendem todas as propostas de décor, possibilitando encontrar a peça ideal para o seu espaço. Confira alguns de nossos destaques:O lançamento da marca é a mesa Mínima, assinada pelo designer Emerson Borges, que faz referência os movimentos suaves e elegantes de uma bailarina. Sua estrutura em madeira torneada traz uma alça em alumínio polido e duas opções de tampo: côncavo com acabamento em diferentes tons de madeira ou liso com acabamento em microtextura ou high gloss, com várias opções de cores.

 

Outra novidade da Saccaro é a mesa lateral Soiê, assinada pela equipe de designers do Studio Saccaro, com formas leves como a seda, estrutura slim e acabamento elegante. O tampo tem formatos redondos, quadrados e retangulares, além de diferentes alturas e combinações de materiais, como madeira, espelho, vidro colorido e acidato.

Já a mesa lateral Ágata, também da equipe do Studio Saccaro, é moderna e minimalista, trazendo a mistura da madeira e do metal em linhas bem definidas. Livre de excessos e disponível em dois tamanhos, as peças podem ser usadas em composição na decoração.

No site você encontra todos os modelos disponíveis.Acesse: saccaro.com.br

 

 

São Paulo é Arte!

A cidade de São Paulo inaugurou em maio a primeira unidade do projeto global japonês Japan House.  Um ambiente para atualizar a percepção dos brasileiros sobre o Japão contemporâneo, o novo centro cultural combina arte, tecnologia e negócios oferecendo ao visitante uma experiência sobre o Japão do século 21.

De julho a setembro o espaço traz a exposição Eterno Efêmero de Kengo Kuma que também é o responsável pelo projeto do espaço cultural.

fonte: http://www.japanhouse.jp
Imagem: http://www.japantimes.co.jp

As melhores cidades de inverno do Brasil

Das serras do sul do Brasil à Mantiqueira, passando pelo Ceará, destinos que combinam charme, boa mesa e natureza para você curtir durante o inverno no país.

As melhores cidades de inverno do Brasil oferecem tudo aquilo que o turista quer: frio, chocolate, fondue, lareiras crepitantes, pousadas charmosas, restaurantes estrelados, grandes paisagens de montanha, boa música e conforto.

Da neve e temperaturas abaixo de zero da Serra Catarinense – a região mais fria do Brasil – ao Maciço do Baturité, no Ceará, os turistas brasileiros encontrarão ótimas opções, com muito charme e conforto.

Qual é aquele que combina melhor esses atributos? Qual é sua favorita? Veja a nossa seleção dos melhores destinos de inverno do Brasil.

  • 1. Trilhas e cachoeiras na Serra da Mantiqueira

Gonçalves (Minas Gerais) Pousadas muito bem decoradas, restaurantes e cafés convidativos e caminhadas em meio à natureza. A pequena Gonçalves vive uma lua de mel com os turistas, com boa infraestrutura e novos endereços a cada temporada, tudo com serviço atencioso e belas paisagens.

  • 2. A região mais fria do BrasilUrubici (Santa Catarina) No triângulo entre São Joaquim, Urupema e Urubici, temperaturas abaixo de zero e neve ocasional fazem a alegria dos turistas. A disputa pelo título de cidade mais fria do Brasil é acirrada (e tem dezenas de outros pretendentes), mas Urubici destaca-se por um centrinho agradável, boas opções gastronômicas, pousadas de qualidade e uma natureza de recortes deslumbrantes. A Pedra Furada e o Morro da Igreja estão entre as melhores atrações da região, assim como a Serra do Rio do Rastro, na vizinha Bom Jardim da Serra. (Caminhos do Sertão)

  • 3. Música clássica e muita badalação

Campos de Jordão (São Paulo) Quando o frio chega, paulistas de todos os cantos invadem o alto da Serra Mantiqueira. E, antes deles, chegam baladas agitadas, lojas de grife e filiais de restaurantes badalados. O Festival Internacional de Inverno de Campos de Jordão é o maior de seu gênero na América Latina e aqui também fica um dos mais charmosos hotéis do país, o Botanique. (Divulgacao)

  • 4. A maior região viticultora do BrasilBento Gonçalves (Rio Grande do Sul) Não bastam os 30 produtores do Vale dos Vinhedos que, juntos, produzem mais de 12 milhões de garrafas de vinho ao ano. No alto da Serra Gaúcha, Bento Gonçalves possui cantinas tentadoras, o melhor galeto do Brasil e pousadas com muito charme (Acervo Giordani Turismo/ Divulgação)

  • 5. A porta de entrada dos canyons do sulCambará do Sul (Rio Grande do Sul) Antessala para os parques nacionais da Serra Geral e Aparados da Serra, a gaúcha Cambará do Sul é o trampolim perfeito para duas das mais belas paisagens do país, os cânions Itaimbezinho (foto) e Fortaleza.

  • 6. Trens e pousadas bacanas na Pedra AzulDomingos Martins (Espírito Santo) O perfil quase escultórico dos mais de 1800 metros da Pedra Azul é só o cartão de visitas de Domingos Martins. A cidade capixaba possui também um divertido passeio de trem e algumas boas pousadas.

  • 7. O retiro do imperadorPetrópolis (Rio de Janeiro) Tão perto e tão diferente do Rio de Janeiro, Petrópolis foi a escolha de Dom Pedro II para seus retiros de verão. Seu luxuoso palácio hoje é o Museu Imperial. Já a infraestrutura turística destaca-se por hotéis ora romântico, ora bem solucionados para famílias. A gastronomia é outro destaque: são cinco casas estreladas pelo GUIA QUATRO RODAS. (ALEXANDRE PEIXOTO – FUNDAÇÃO CULTURA E TURISMO DE PETROPOLIS/ Divulgacao.)

  • 8. Cerâmicas entre Rio e São PauloCunha (São Paulo) Debruçada sobre a fluminense Paraty, a paulista Cunha tem pousadas e restaurantes bacanas. A grande atração, porém, são os ateliês de cerâmica e suas famosas aberturas de fornos. (PRISCILA ZAMBOTTO)

  • 9. Hippies e restaurantes estreladosVisconde Mauá (Rio de Janeiro) Atrações é que não faltam neste trecho da Serra da Mantiqueira. Pousadas aconchegantes, jantares estrelados, caminhadas e cavalgadas com vistas deslumbrantes e feirinha de artesanato são uma pequena amostra de quem elege Visconde de Mauá como destino.  (Divulgacão)

  • 10. Chocolates e arquitetatura bávara na Serra GaúchaGramado (Rio Grande do Sul) Gramado é uma espécie de filial alpina nas montanhas do Rio Grande do Sul. A fondue veio da Suíça, assim como os chocolates. O estilo enxaimel das casas é alemão, mesma origem da casa de chá Teeladen e das árvores do Lago Negro (foto). Do mundo todo são os carros expostos nos museus Super Carros e Hollywood Dream Cars. (Marcelo Curia)

  • 11. Lingeries em clima serranoNova Friburgo (Rio de Janeiro) Os atributos de Nova Friburgo vão muito além daqueles que a levaram a ser conhecida como a “capital da lingerie”. São Pedro e Lumiar destacam-se por suas charmosas hospedagens, enquanto que Mury continua com sua conhecida veia gastronômica. Tudo sob às sombras do Parque dos Três Picos, uma das melhores atrações da região.

  • 12. Jazz e blues na Suíça do CearáGuaramiranga (Ceará) No Carnaval rola um movimentado festival de jazz e blues em Guaramiranga, mas, próxima a Fortaleza, a cidade no Maciço do Baturité atrai turistas o ano todo com suas temperaturas mais amenas e algumas boas pousadas. E, claro, temperaturas bem mais amenas do que no litoral. (Divulgação)

  • 13. Uma grande cachoeira e muita polentaCanela (Rio Grande do Sul) Mais calma que a vizinha Gramado, Canela não se limita à Cascata do Caracol, a mais alta do Rio Grande do Sul. Aqui estão restaurantes estrelados, o Parque da Ferradura e um ar bucólico de montanha que agrada famílias e casais. (Marcelo Curia)

  • 14. Sob o Dedo de DeusTeresópolis (Rio de Janeiro) Uma das principais vítimas das enchentes de janeiro de 2011, Teresópolis ainda trabalha para se levantar por completo. Enquanto isso, os pequenos banquetes do russo Dona Irene e os picos verticais do Parque Nacional da Serra dos Órgãos continuam sendo as grandes atrações da cidade. (FLAVIO VELOSO)

  • 15. Um charme escondido nas montanhasSão Francisco Xavier (São Paulo) O acesso complicado por estradas tortuosas fazem de São Francisco Xavier um destino a ser descoberto. Boas pousadas, caminhadas tranquilas em meio à mata e cachoeiras são suas principais atrações nas encostas da Mantiqueira.

  • 16. A preferida dos casaisMonte Verde (Minas Gerais) O ar romântico e o convite ao aconchego atraem multidões – quase sempre aos pares – a Monte Verde. Virou quase uma obrigação entre as pousadas oferecer quartos com lareira e banheiras de hidromassagem. E a arquitetura inspirada nas frias cidades europeias ajuda o clima de nhe-nhe-nhé.

Fonte: Revista Viagem e Turismo – Ed. Abril